POCHETE: HOT OR NOT?

Spread the love

Confesso que eu achei que essa era uma moda que eu nunca mais iria ver a não ser nas minhas fotos dos anos 2000 junto com a boca de sino. Sempre tive uma opinião muito forte sobre elas e achei que a maioria das pessoas também pensavam o mesmo, porém, ontem no trabalho pedi para uma colega assim: ”Tu acha que a pochete vai pegar?”  e para minha surpresa ela respondeu algo que me fez ficar boquiaberta:  ”Olha, eu acho que já pegou!”
SIM, galera! O post de hoje é dedicado para as pochetes! Por incrível que pareça, ela surgiu no século XII e era denominada como ”pockets” que o nome por si só  já diz: ”BOLSOS”.    Eles eram bolsinhos separados da vestimenta e amarrados a cintura.  O cronista florentino Giovanni Villani (1280-1348)  descreve: ”“Nesses tempos as gentes começaram a mudar de hábitos e roupas desmesuaradamente. (…) Começaram a usar roupas apertadas à moda catalã, colares e bolsinhas na cintura e na cabeça, a vestir chapéus sobre o capuz. (…)” . Quem quiser saber sua trajetória completa pode clicar aqui.

Eu fiz uma pesquisa completa para saber como a peça que foi banida do mundo fashion está sendo utilizada agora como trend. Consegui juntar um padrão bem legal para vocês se inspirarem e tirarem suas próprias conclusões sobre essa tendência que saiu diretamente dos anos 90 para as fashonistas mais renomadas da atualiadade.

 

1- ATRAVESSADA

Foto: Kate I.

 

A primeira coisa que eu notei é que a pochete saiu da cintura e foi parar embaixo dos braços como uma bolsa normal do dia-dia. Eu não sei como é chamada oficialmente, mas a grosso modo eu denominei ”atravessada” hahaha.

 

Foto: Claudia Villanueva 

  • Podemos ver que a pochete está sendo usada como um ícone bem trend mesmo, algo que dá um ”up” no look o tornando mais fashionista.
  • Na primeira foto foi usada com um mix de tendências com o xadrez, jaqueta de nilon e sapato com uma plataforma estilo bem punk.
  • Para variar um pouco, na foto numero dois temos um look mais ”menininha”, usada com rosa, saia de cintura alta de botões (que veio com tudo também) e a BOINA!
  • O estilo metalizado com essa composição não deu um ar futurístico, e sim mais romântico.
  • Notaram que pode variar de estilo para estilo?

 

Foto: Jesus Lafuente

    Se tem uma coisa que eu gosto menos que a pochete é o termo Unisex, mas não consegui outra definição que se encaixasse melhor aqui. Eu AMO que cada vez mais as peças servem para todos os tipos de gêneros, tirando o padrão de ‘feminino’ e ‘masculino’ de cena e dando espaço para a liberdade. Minha vida inteira eu comprei blusas na sessão masculina e rejeitava o Unisex por não ser nada Unisex.

  • Podemos ver que eu sou péssima no photoshop.
  • Porém, se tirarmos a pochete da composição, o look fica apenas básico e comum.
  • Se compararmos sem e com, dá pra ver nitidamente uma diferença de estilo. Na primeira da um ar mais geek, e segunda foto está até mais bad-boy.

 

2- TRADICIONAL

Foto: Sandra Samuel 

    Por que ‘bom e velho tradicional’? Simples. Essa é a forma que sempre usamos: Ao redor da nossa cintura. Se você não quer ousar tanto ao atravessar ela como uma bolsa, pode utilizar da maneira que ela foi desenhada para ser.

inp2

Foto 1: Claudia Salinas   Foto 2: Laura Ellner

  • Eu fiquei em dúvida se na primeira foto era uma mini bag ou realmente uma pochete. Eu adorei essa e chanel é chanel né, mores? Acho que seria a única que eu usaria na minha vida, sem dúvidas.
  • Você pode brincar com as diversas tonalidades e texturas para deixar mais ”cool”.
  • Um ponto positivo que eu vejo é a segurança por estar bem colada ao corpo, mas ao mesmo tempo fica a dúvida que fica visivelmente exposto. Então eu não sei . 

Foto: Nena F.

     Eu achei legal trazer essa informação para vocês, mas confesso que estou relutante ainda e não escondo que tenho um certo tipo de ranço incerteza com a pochete. Eles poderiam ter colocado um nome diferente, né? Por exemplo: ”Ah, vou comprar uma side Bag” e não ”Ah, vou comprar uma pochete” a sonoridade não é tão boa.
Mas quero saber de vocês: Hot or Not?

 

Att,

 

Caroline Larroque

Deixe uma resposta